seg. mar 25th, 2019

Ferrageamento terapêutico para corrigir problemas em cavalos de Rédeas

Confira a entrevista produzida pela equipe da Revista Rédeas com Brandt Veppo.

 

 

O esporte Rédeas talvez seja o que mais ressalta a sutileza e menos interferência do cavaleiro nas manobras. Por definição: Entre todas as modalidades do cavalo, é a mais técnica. Controlar um cavalo não é apenas guiá-lo, mas dominar seus movimentos. O cavalo melhor controlado deverá ser voluntariamente guiado com pouca ou nenhuma resistência.

Pensando sob esse prisma, o ferrageamento correto e preventivo para evitar lesões, ou terapêuticos para corrigir problemas é um dos principais pontos para se ter um cavalo saudável e com vida longa competitiva e reprodutiva.

Fomos conversar com Brandt Veppo, ex-treinador e competidor da modalidade. Nos dez anos em que treinou e competiu no Brasil, ele foi campeão Potro do Futuro 2009 ANCR Aberta Limitada, campeão Copa Querência, campeão Nacional ABCpaint, Bicampeão Snaffle Bit AGCR, reservado campeão Super Stakes ANCR, finalista nas mais importantes provas do Brasil, entre outros. Atualmente, ele se dedica integralmente ao oficio de ferrador, nos Estados Unidos, através de sua empresa, a Pro Farrier. Confira!

 

Revista Rédeas: Você acredita ser importante o tempo que treinou e competiu para sua nova profissão?

Brandt Veppo: Toda a experiência que adquiri durante anos treinando cavalos de Rédeas e Working Cow Horse, reflete hoje no meu trabalho. A sensibilidade e a precisão vão fazer a mudança no esbarro, spin, entre outras manobras. Existem inúmeros casos e ferraduras para aprimorar a manobra e deixar o cavalo mais confortável para execução dos movimentos.

 

RR: Quais os problemas mais frenquentes?

BV: Entre os problemas frequentes, rachaduras e a doença da linha branca, por exemplo, resultado de cavalo atleta em condições inapropriadas. As doenças dependem muito da conformação do casco e do ferrageamento que o cavalo tem. Os cavalos podem ter predisposição a certas doenças, porém é possível prevenir: manter casqueamento balanceado e ferrageamento adequado, limpeza diária dos cascos, cocheira limpa e seca. Não realizar essas ações ocasiona e aumenta a probabilidade de se contrair doenças relacionadas ao casco. Considerando que o cavalo de Rédeas trabalha diariamente, tem uma alta exigência e passa por muito stress de provas. Assim que se observa claudicação, aumento de temperatura do casco, irregularidades, recomendo imediatamente o contato com veterinário e ferreiro, que juntos, após de raio-x e outros exames, vão poder diagnosticar e planejar o ferrageamento terapêutico. O ferrageamento geralmente é feito uma vez ao mês, para um acompanhamento seguro e eficaz.

 

RR: Como você tomou contato com o ofício de ferreiro?

BV: Eu comecei a ferrar cavalo aos 18 anos, no Texas, com meu pai, Mike Chastain e há cinco anos retomei essa minha profissão, passando a ser meu oficio atual. Tive como mentores, Mr. Gene Cunningham e Mr. Pat Burton CFJ, professor e examinador dos testes da American Farrier Association. Nesse intervalo, trabalhei especificamente com Rédeas por dez anos no Brasil. Todo meu conhecimento como treinador e competidor contribui e soma muito para o que faço hoje. Atualmente como ferreiro, trabalho com inúmeras modalidades equestres, e cavalos com tratamento terapêutico. Dentre os cavalos de esporte, tenho clientes de Rédeas e Working Cow Horse. Gostaria de agradecer a oportunidade de falar um pouco mais sobre meu trabalho.

 

Essa é uma ferradura mais larga na frente para cavalo que tem dificuldade de manter o esbarro. Geralmente, usa-se essa ferradura em cavalos mais velhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Contatos:

brandtchastain@gmail.com

www.facebook.com/profarrier

Instagram @profarrier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *