seg. mar 25th, 2019

Investir em potros é um bom negócio? Por Nilson Leite (Articulista)

ARTICULISTAS

Nilson Leite – criador, representante do Haras Rosa Mystica.

 

 

Investir em potros é um bom negócio?

 

Comprar um potro é um investimento que requer atenção, como qualquer tipo de negócio, e, como todo investimento, apresenta riscos. Estes riscos serão minimizados de acordo com diversos fatores, os quais tentaremos abordar de forma sucinta nesta matéria.

Primeiramente, é muito importante definir qual é o objetivo da compra: cavalo de alta performance para venda, para uso próprio, ou com elevado potencial reprodutivo. Determina-se, assim, respectivamente, a figura de importantes atores na indústria do cavalo: o investidor, o proprietário e o criador.

Uma vez identificado o objetivo, avaliam-se os fatores que são divididos em: saúde, aptidão e procedência. Cada um desses fatores ganha relevância de acordo com o objetivo da compra.

O fator saúde pode ser avaliado pela morfologia, estudo clínico e o manejo a que o animal foi submetido. Estas análises podem demonstrar o tempo de vida útil ou as dificuldades e investimentos necessários para manter o animal em perfeita atividade esportiva. A análise morfológica indicará alguns malefícios na compra a depender de seu propósito. Um animal que tenha, por exemplo, um pescoço invertido, pouca musculatura em sua coluna/dorso, garupa curta ou quartela comprida trará um risco maior se a compra tiver o propósito de alta performance, assim como um animal que tenha comprometimentos radiográficos, como navicular fraco, rotação de falange ou esparavões, trazendo um risco a ser considerado conforme o seu objetivo. Do mesmo modo, um animal que tenha sido submetido a manejo inadequado, como alimentação de baixa qualidade, sem vermifugações e vacinações inadequadas, terá dificuldades em se desenvolver de maneira saudável.

O fator aptidão pode ser avaliado por um cavaleiro ou profissional qualificado pela experiência na análise de potros. Este critério observará características diversas que, bem avaliadas, poderão garantir um potro de futuro. Neste quesito, serão observadas a elasticidade, amplitude dos andamentos, respeito aos obstáculos, potência e técnica no salto (escope, mobilidade da coluna, técnica de anteriores e posteriores) – o que aparentemente pode ser subjetivo, mas que já possui estudos avançados em diversas associações de criadores de cavalos esportivos pelo mundo que podem facilmente incrementar o aprendizado do interessado em desenvolver essa habilidade.

O fator procedência é decisivo para aquele que quer investir num produto que terá reconhecimento no mercado, e diz respeito à aquisição do animal em um haras que, notadamente, tenha preocupação com investimentos em tecnologia e conhecimento. A base para o sucesso de uma criação está no estudo e aperfeiçoamento dos cruzamentos genéticos e das melhores práticas de manejo. Um potro que tenha seu pai e mãe escolhidos sem qualquer critério técnico, mesmo que filho de dois grandes campeões, pode se tornar um verdadeiro “ouro de tolo”, sem valor algum. Mais importante que um bom pai e boa mãe é o estudo para se chegar a um bom cruzamento. Na Europa, uma importante forma de se analisar o cruzamento é a análise da “família” e o que essa família já produziu com qualidade. Escolher um haras de renome, que tenha produtos de qualidade no mercado, pode minimizar muito o risco da compra de um potro. Inversamente, adquirir um potro de um haras que não possui critérios em seus cruzamentos, não adota um manejo adequado para a criação de cavalos de esporte e não investe em tecnologia pode se tornar um perigoso investimento.

Como investimento, é indiscutível que um animal escolhido baseado em critérios adequados e submetidos a um correto manejo e treinamento trará um enorme retorno financeiro. De qualquer modo, a compra de animais mais jovens pode ser também uma boa oportunidade de conhecer todo o histórico do futuro companheiro de jornada, principalmente para o atleta amador, que acompanhará toda sua evolução inclusive quanto a eventuais traumas pelo qual o animal seja submetido. É uma maneira ótima de se construir uma relação de confiança com seu animal, educando-o com comandos e ajudas a que se está habituado e formando um cavalo verdadeiramente desenvolvido sob medida. Além disso, dependendo do desempenho que alcançar, o animal trará enormes oportunidades de venda, pois atualmente, no Brasil, existem mais cavaleiros montando do que potros sendo introduzidos no esporte.

Uma analogia muito interessante é a de que comprar um potro é como comprar uma pedra bruta de diamante, que se bem lapidada, poderá proporcional a fortuna. Podemos comparar também com o mercado financeiro, onde se compram empresas promissoras em início de atividade (startups) e, com um baixo investimento, vislumbram-se exponenciais resultados.

Concluindo, comprar um potro é a grande oportunidade de ter um cavalo de grande prêmio a um custo muito mais baixo, e o principal: caberá no seu bolso.

 

Artigo publicado originalmente na Revista Hipismo. Reprodução comercial proibida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *