seg. maio 27th, 2019

Projetos de Baias para atendimento do bem-estar animal

Por Jaqueline Lopes – Arquitetura Equestre

 

O bem-estar do animal é a preocupação de todo criador e proprietário. Então, vamos abordar alguns itens mínimos para que sua estrutura atenda a alguns padrões de saúde e conforto.
Ao planejar e construir seu Pavilhão das Baias lembre-se sempre de concentrar os equipamentos – farmácia, quarto de sela, depósito de grãos, ducha – no centro da estrutura para facilitar a rotina diária de trabalho. Deve-se levar em consideração, quando projetado e estudado, o “fator clima”, posição solar e ventos predominantes da região. Antes de planejar o layout da cocheira oriente-a na direção dos ventos, podendo assim deixar as portas das baias abertas durante o verão, tirando vantagem da ventilação natural.
As baias devem ser bem ventiladas e arejadas, não expostas a calores excessivos nem a frios intensos ou correntes de ar desagradáveis. Cocheiras com ventilação natural inadequada são uma das principais causas de problemas respiratórios em cavalos, resultantes de poeiras, odores, germes que se proliferam pelo ar estagnado tornando o ambiente insalubre. O cavalo é mais sensível ao calor do que ao frio, por isso cuidados redobrados aqui no nosso país.
Devemos evitar utilizar telhas de fibro-amianto, exceto se a ventilação for excelente e o calor não for problema. No Brasil, os telhados não costumam ser tão inclinados, mas é importante que a cobertura esteja no mínimo a 38% para se alcançar o efeito funil invertido, levando o ar quente para o pico ou cume do telhado.
Baias: dimensões e tipos de pisos: Lugar onde os animais passam maior parte do dia e da noite, podendo seus pés e pernas serem prejudicados ou beneficiados, dependendo do tempo e dinheiro que investimos no piso desse espaço. O tamanho ideal de uma baia é de 4 x 4m e sua porta tem altura mínima de 2.20 por 1.40 de largura. As disposições do cocho de ração e água têm que estar em sentidos opostos para o animal não bocejar ração na água e diminuir assim sua qualidade.
Tipos de pisos: permeáveis e impermeáveis
Permeáveis: Deve-se levar em conta uma fundação com areia/ carvão/ cascalho entre outros materiais para ajudar no movimento da água para baixo. Exemplos: Piso Natural; piso com brita e bidim e piso com carvão vegetal.
Impermeáveis: Deve-se ter um sistema de drenagem auxiliar com inclinações para que a urina/água possa correr para fora da baia. São eles: Piso de concreto (um dos mais comuns, devido à durabilidade e fácil manutenção), e piso de borracha.
Baias: modelos de socialização:
O cavalo é um animal muito sociável e não gosta de ficar isolado. O contato visual com outros cavalos ameniza o problema quando o confinamos a uma baia.
Meias paredes: Mais comuns na Europa, é uma ótima maneira de permitir aos cavalos a interação frequente com seus vizinhos de baia. As paredes são mais curtas entre as baias permitindo que os cavalos vejam fisicamente seus vizinhos, bem como tocar narizes, comunicar e até mesmo cuidar uns dos outros.
As divisórias vazadas entre baias: Outra maneira de dar aos cavalos alguma garantia visual de que não estão sozinhos, porém sem o mesmo acesso que uma meia parede. Se você tem cavalos frequentemente circulando dentro e fora das baias e a mudança constante não permite que os vizinhos se acostumem um ao outro (se relacionem), esta abordagem de divisórias vazadas é uma boa maneira de adicionar estímulo social à vida de seus cavalos.
.
A frente de baia aberta: Dispensa completamente as barras dianteiras. Permite que eles tenham uma visão panorâmica do corredor e interação com os vizinhos na baia ao lado.
Portas em gola, portas do tipo holandês (com a parte superior removível) e outros tipos de portas abertas são uma contribuição pequena, mas extremamente importante, para proporcionar estímulo social.
Área externa: Cercado em cada baia, que permite que seus cavalos possam conversar e socializar um com o outro sobre a cerca.
Instalações elétricas: Problemas elétricos são uma das principais causas de incêndios em cocheiras. A fiação exposta tem maior potencial de danos, não sendo a opção ideal. Os condutes reduzem esse perigo, no caso os eletrodutos de metal também fornecem um sistema de aterramento secundário. Embora seja trabalhoso e de custo elevado, deixar todos os interruptores e tomadas tampados pode poupar (e muito) inúmeros acidentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *